Do Mestre Federer para seus alunos

Torço muito para que essa nova geração esteja olhando e aprendendo atentamente as lições de quem apelidei Mestre dos Magos, o gênio Roger Federer.

Garotos, o mestre vos mostra em cada batida e indica o caminho. Isso vem acontecendo há praticamente 2 décadas, quando o menino suíço de 18 anos, ainda com o rosto rechonchudo e algumas espinhas, ganhava seu torneio de Wimbledon pela primeira vez, batendo nada menos que a lenda Pete Sampras na final.

De lá para cá, vem enfrentando todo tipo de jogador e dando as cartas da evolução no tênis. Mostrou a todos como se joga em cima da linha de base. Movimentação lateral cruzando as pernas e cortando os ângulos, buscando sempre a bola mais à frente, não importando qual perna estará à frente na hora do impacto, desde que os ombros estejam girados.

Uma direita considerada a melhor do mundo batendo onde e como quer, principalmente demonstrando como usar o inside out, no meio de rapidíssimas trocas de bola, com um trabalho de pés, como que correndo de costas com a preparação perfeitamente antecipada, encurralando seus adversários ou disparando winners perfeitos. Sem falar nos perfeitos ângulos que consegue.

Um backhand, onde transformou uma deficiência em eficiência e versatilidade. Dispara cruzadas trabalhando ângulos e muitas vezes batendo quase no meio da quadra, não dando ângulos aos adversários e buscando seu forehand inside out, na primeira oportunidade. A versatilidade de alternar batidas e slices fundos ou curtos angulados, cruzados e na paralela, conseguindo movimentar seus oponentes para frente e para trás, cavando a oportunidade para atacar com presteza.

Descobriu quando seus adversários vêm a rede, que muitas vezes é melhor disparar um tiro em cima no corpo, onde dificulta a criação de ângulo para o oponente, deixando para tentar definir numa segunda bola. Os drop shots, que pintura, principalmente o de backhand na paralela, onde além de curta, imprime um maravilhoso e leve side spin. O drop de forehand mudando a empunhadura no último momento, dificultando a leitura do adversário.

Incríveis bate prontos, no meio de rapidíssimas trocas de bola, muitas vezes transformados em bolas ganhadoras. Approaches batidos ou em slice, fundos ou angulados, entrando na quadra com precisão, inclusive em uma disputa de bolas rápidas, com backhands e forehands. Muitas vezes nas respostas de primeiro saque, como o bote de um leão da montanha.

Os voleios, que absurdo de mão, facilidade e precisão. Ganha 99% dos pontos quando vem a rede, faz o que quer com a bola. Smashs, não perde sequer um ponto de cima.

Saque flat, slice, no meio, angulado, no corpo, Kick serve. Usa e abusa das variações para que seus adversários não adquiram ritmo na resposta, sacando e voleando com precisão, ou sacando e trabalhando com excelência a segunda bola.

A motivação que continua demonstrando com seu 101º título, quase um presente ao mundo. Talento, leveza, ética, educação, habilidade em uma só pessoa. Jovens promessas do tênis mundial, assistam, aprendam a deslocar as peças de xadrez do tênis, enquanto o mestre está na ativa. O maior de todos os tempos.

Os comentários estão encerrados.

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: